Horácio

04/03/2009

dsc006761

Conheci este rapaz agora há pouco, enquanto caminhava pelas ruas do Alto Maé, em Maputo.

 

Ao me ver fotografar um prédio, veio cumprimentar-me.

 

Perguntou-me se era fotógrafo. Respondi-lhe que não, que sou jornalista.

 

Apresentou-se: chama-se Horácio Agostinho Liasse, tem 28 anos.

 

Queria saber se eu vivia em Maputo. Disse que não, que estava apenas viajando, mas que um dia gostaria de morar aqui. Antes disso, porém, precisaria arranjar um emprego na cidade.

 

Seus olhos brilharam. Horácio tinha uma ideia. Como ele também está desempregado, talvez pudéssemos trabalhar juntos.

 

Quis saber qual era a sua especialidade. “Condução. Sei conduzir tudo: mota, automóvel, carrinha e caminhão.”

 

Propôs que criássemos uma ONG. Como sou jornalista, eu seria o responsável pela área de comunicação; ele, pelos transportes. Disse que podemos elaborar um projeto e marcar uma audiência com algum ministro, para solicitar um auxílio para abrir a ONG.

 

Animado, pediu que o acompanhasse pela rua. Caminhamos juntos por três quarteirões. Entramos num prédio antigo.

 

Subimos quatro andares até um salão espaçoso, as paredes descascadas, onde havia três mesas de plástico e algumas cadeiras. Cinco ou seis pessoas liam sentadas, algumas fazendo anotações.

 

Horácio me diz que o salão, que hoje funciona como uma improvisada sala de estudos, é de um tio. Ele poderia nos alugá-lo por um bom preço, caso queiramos iniciar um negócio.

 

Pergunto qual seria a área de atuação da nossa ONG. Horácio não sabe responder, mas diz que irá ler jornais e conversar com amigos para ver se tem alguma ideia. Prontifico-me a também pesquisar a respeito.

 

Em seguida, ele me leva para conhecer o resto do prédio. Pede-me que o fotografe em frente a um espelho quebrado, onde um dia funcionou um bar – “assim não te esquecerás do nosso encontro ao fim da tua viagem”.

 

Trocamos números de telefone e combinamos que, tão logo a minha jornada pela África termine, voltaremos a conversar para tratar da abertura da ONG.

 

Já na rua, despedimo-nos calorosamente.

Anúncios

20 Respostas to “Horácio”

  1. manuel fernandes said

    amigo sou angolano do bailundo de descendençia portuguesa ,vivi em angola 18 anos vivo altualmente na suiça zurique , nunca deixei africa transportu-a sempre comigo ,vou seguir viagem consigo nao se sinta so , um dia um amigo meu suiço fez uma viagem por africa mais ou menos como a sua ao regresar dise-me olha a tua africa é a mais bonita de todas fiquei sem preçeber , ele inçistiu tem um toque latino um nao sei que de coraçao portugues esses HORAçIOS VAO LHE COMFIRMAR ISSO
    obrigado e desculpe meu portugues

  2. Gostaria de lhe dizer que imaginei-me aí, num café a ouvir esta sua história. Seguiram-se longos minutos de silêncio…

  3. gabriela said

    estou com os olhos marejados,joao!

  4. Tina said

    João,
    incrível! Muito bom e sensível. Que bom que voltei aqui pro blogue.
    bjs

  5. João Pitombo said

    Fala João!

    Sigo acompanhando sua viagem daqui da boa terra.

    Grande abraço e boa sorte!

  6. Que coisa gostosa de ler e incrível…………….
    adorei a foto!!!!!!!!!!
    abraços sonia

  7. m.Jo said

    A vida pode ser muito simples, não é?
    Bjks
    m.Jo

  8. Mayra said

    tô a adorar.
    e a invejar, hehehe.
    sorte, sempre sorte, e muito kapuscinski.
    beijo

  9. Krishna said

    Fala, João, beleza?

    Não sei se você se lembra de mim, mas fui um dos trainees da Folha no ano de 2006 (42 turma) e te conheci por lá. Acabei não ficando no jornal. Fui aprovado no concurso do Instituto Rio Branco em 2008 e hoje sou diplomata.

    Por uma dessas coincidências da vida, trabalho na divisão de África III do Itamaraty, que cuida das relações entre o Brasil e a maioria dos países pelos quais você vai passar. Vai ser muito bacana acompanhar a sua viagem e aprender com você. E, em breve, planejo fazer um percurso parecido…

    É isso aí, o Brasil encontra a África! Boa sorte, boa viagem e, se puder, me mande um e-mail com o seu contato para que possamos trocar umas idéias.

    Abração,
    Krishna

    • João Fellet said

      Oi, Krishna, tudo bem? Lembro-me sim de vc. Parabens pela aprovacao no Instituto Rio Branco!
      Realmente e uma baita coincidencia vc estar trabalhando com a Africa agora. Certamente valera muito a pena.
      Meu e-mail eh joaofellet(arroba)gmail.com — como percebeu, nao domino os acentos deste teclado. rs…
      Grande abraco e ficamos em contato!

  10. Priscila said

    Imagino a “energia” q este lugar te passou….Mas a estrada é longa…..rsrsr
    Gde bj
    Pri

  11. P. said

    Boa jornada! E que você encontre muitas figuras como o Horácio no seu caminho! Beijos, Pri (Já de volta à terrinha!)

  12. […] Horácio me ligou ontem de manhã. Queria saber se ainda estava em Maputo. Ao ouvir que sim, convidou-me […]

  13. […] assim com o Horácio. Foi assim com a Sakina. E foi assim com o […]

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: